s1
s2
s3
s4
s5
s6
s7
s8
s9
s10
s11

Joaquim António dos Santos Simões

Título: Dr. Joaquim António dos Santos Simões
Datas extremas: [1927-1986?]
Dimensão: 20 ml
Nível de descrição: arquivo
Nome produtor: Dr. Joaquim António dos Santos Simões

História biográfica
Joaquim António dos Santos Simões nasceu a 12 de Agosto de 1923 na vila de Espinhal, concelho de Penela, distrito de Coimbra. Entre 1944 e 1947, já como aluno da Universidade de Coimbra (UC), participou nas movimentações reivindicativas dos estudantes, dedicando-se ainda ao Teatro de Estudantes da UC, onde foi director, encenador e actor. No ano lectivo de 1950/51 acaba por ser eleito presidente da Associação Académica de Coimbra (AAC) e conclui as suas licenciaturas em Ciências Matemáticas e Engenharia Geográfica. Já então se destacava por aquilo que alguns dos seus colaboradores mais próximos designam como um "profundo sentimento de justiça e intervenção social". Depois de leccionar no ensino particular, em 1957 transita para Guimarães onde se torna professor do ensino público na então Escola Industrial e Comercial de Guimarães.
É nesta cidade que o Dr. Santos Simões começa a intensificar o seu trabalho ligado à cultura, vindo a iniciar, em 1963, uma actividade política organizada, militando na oposição democrática do distrito de Braga. Paralelamente, notabiliza-se como um dos fundadores do Cineclube de Guimarães e do Teatro de Ensaio Raul Brandão, ligado ao Círculo de Arte e Recreio, três instituições onde ocupou cargos e desempenhou um papel importante até à sua morte.
Em 1968 foi preso pela PIDE, vindo a ser expulso do ensino devido à sua militância contra o Estado Novo. Um ano mais tarde, participa no II Congresso da Oposição Democrática, em Aveiro e é candidato da CDE por Braga, na campanha "eleitoral" para a Assembleia Nacional.
No pós-25 de Abril, é reintegrado no ensino oficial, regressando à Escola Industrial e Comercial de Guimarães. Na mesma altura, participa activamente na criação do Partido Movimento Democrático Português (MDP/CDE), integrando os órgãos directivos nacionais e sendo um dos responsáveis pelo partido no distrito de Braga e em Guimarães. Chega a ser indicado pelo MDP/CDE para os cargos de governador civil e de Ministro de Educação, mas foi rejeitado por António Spínola "por ser comunista", segundo descrevem as notas biográficas sobre a sua vida que o próprio deixou escritas.
Participou na criação de novas associações culturais em Guimarães, como a cooperativa editorial O Povo de Guimarães, a Cercigui, e em 1990 é eleito presidente da direcção da Sociedade Martins Sarmento. Faleceu a 23 de Junho de 2004.

História custodial e arquivística
Este arquivo foi doado pelo Dr. Joaquim dos Santos Simões, em 30 Outubro de 1997 (acta nº 22 da Câmara Municipal de Guimarães). Em 3 de Fevereiro de 1998 procedeu-se à assinatura do protocolo de doação e à entrega da primeira documentação. A restante documentação foi, faseadamente, entregue entre os anos de 1998 e 2004.

Âmbito e conteúdo
Constituído por documentação referente à participação do Dr. Santos Simões como deputado municipal (1976-1986) na Assembleia Municipal; Documentação relativa à actividade no e do Partido Movimento Democrático Português (MDP/CDE) (1974-1986); Documentação concernente ao período da Ditadura Militar e Estado Novo (1927-1974).

Notas
Este arquivo ainda está em fase de tratamento.

Regras e convenções
ISAD(G)
topo